Provas e Exercícios - E. M


PROVA  1º ANO ENSINO MÉDIO - MÚLTIPLA-ESCOLHA
(Marque com um “X” a única alternativa certa)

TEXTO I
O PORTUGUÊS.COM
A comunicação expressa das salas de bate-papo e dos blogs está mexendo
com o idioma em casa e nas escolas.
Isso é bom?

      A vida linguística do futuro está por um fio? Há quem suspeite que sim e culpe o pragmatismo dos usuários da internet por sua agonia. Na ânsia de se comunicarem num curto espaço de tempo, eles abreviam palavras ao limite do irreconhecível, traduzem sentimentos por ícones e renunciam às mais elementares regras da gramática. O resultado dessa anarquia comunicativa divide opiniões.
      Linguista respeitado, o inglês David Crystal, autor do livro A Linguagem e a Internet, chama esses defensores da sintaxe de alarmistas e não prevê um futuro desastroso para a gramática por causa da rede.    Lembra que a invenção do telefone provocou a mesma desconfiança dos estudiosos, preocupados com o risco de uma afasia epidêmica entre os usuários. Por incorporarem uma linguagem cheia de “hã, hã” e “alôs”, eles corriam o risco de perder a capacidade de expressão e a sociabilidade. Não foi o que ocorreu, lembra Crystal. Ele faz uma previsão otimista: o jargão dos chats (salas de bate-papo) e dos blogs (diários que se tornam públicos) pode estimular outras formas de literatura e desenvolver o autoconhecimento do jovem, como percebeu ao analisar o conteúdo de blogs ingleses.
      O outro lado da história é contado por psiquiatras. Pais de adolescentes com distúrbios de linguagem estão levando os filhos ao consultório e recebendo um diagnóstico, no mínimo, preocupante: suspeita-se de uma onda de “dislexia discursiva”. O jovem, que até então não apresentava nenhum problema na escola, começa a ter uma avaliação catastrófica dos professores.
      Perde a capacidade de entender o que lê fora do ambiente da rede. Sem entender, não tem condições de julgar, e sem posição crítica fica incapacitado de reflexões profundas sobre a realidade que o cerca. Os pais imaginam que o filho está mentalmente perturbado ou tomando drogas, mas ele apenas renunciou a seu potencial expressivo para adotar a linguagem estereotipada da internet.
      Adolescentes viraram suas vítimas preferenciais.
      Os jovens erguem uma barreira contra seus pais, que não compreendem uma só palavra das mensagens trocadas com os coleguinhas, mas ficam igualmente isolados, incapacitados de escrever segundo os códigos linguísticos formais. O alerta é do médico e neurocientista paulista Cláudio Guimarães dos Santos. “Essa simplificação da linguagem pelos adolescentes não pode ser entendida como alternativa, porque esse código acaba tornando o lugar da escritura convencional”, analisa. “Ninguém escreve um tratado de física com carinhas e usar o código da rede sem dominar o formal gera erros de percepção.” O psiquiatra refere-se aos ícones conhecidos como emoticom, que os internautas usam no correio eletrônico e em seus weblogs para comunicar aos interlocutores que estão tristes, alegres, entediados, eufóricos ou simplesmente indiferentes.
      Os traços sintéticos dessas “carinhas” e a linguagem telegráfica dos blogueiros não são recursos meramente funcionais, adverte o médico. Eles revelam que esses jovens consideram supérflua a escritura formal. “Ao contrário da fala, a comunicação escrita exige aprendizado e ninguém aprende se não tiver interesse genuíno, o que leva o adolescente a optar pelo código anárquico da rede”. O professor de língua portuguesa David Fazzolari, do Colégio Nossa Senhora das Graças, em São Paulo, discorda, argumentando que a curta existência da internet não justifica previsões tão pessimistas. A linguagem usada nas salas de bate-papo e nos blogs, diz, é um simulacro da comunicação oral, dinâmica por natureza.
      “As abreviações, os signos visuais e a ausência de acentuação representam apenas um jeito de se adaptar ao teclado”, observa o professor. Ele não acredita que a norma culta será contaminada pela simplificação. “Os adolescentes sabem que ela deve ficar restrita ao ambiente da rede e não tenho notado um empobrecimento nos textos dos alunos por conta da adoção do código da internet”.
      Mas as redações poderiam ser melhores se a leitura fosse um hábito familiar, admite. O estudante Leandro Rodrigues Gonçalves, de 17 anos, mantém seu blog como um diário para “criticar” religiosos, “polemizar”. Como outros blogueiros, começou a usar “eh” no lugar de “é” e trocar “não” por “naum” até pensar no vestibular e concluir que era melhor render-se à sintaxe convencional. “A rede me estimulou a ler e a escrever poesia”, conta. Já Victor Zellmeister, de 15 anos, acha que a internet não aprimorou seu desempenho. Assim como o colega Gustavo Simon, garante não usar a “língua” da internet na aula. Colega dos dois, Rafael Mielnik não confunde rede com escola. “Só uso a net para inutilidades”.
      Educadores não identificam perigo nessa linguagem eletrônica. “Costumamos ver com desconfiança aquilo que foge ao nosso controle, mas não acho que a rede empobrece a língua”, afirma a orientadora pedagógica Elione Andrade Câmara. Com ela concorda David Crystal, que costuma rir quando alguém diz que a nova tecnologia está sufocando a gramática e matando a cultura: “Sinceramente, acho até que a literatura possa ficar mais rica ao incorporar expressões de blogueiros do meio rural, produzindo outros gêneros e abrindo uma dimensão diversa para a escrita”.
      Assim seja.

(FRANZOIA, Ana Paula e FILHO, Antônio Gonçalves. In: Revista Época. Pág. 54-55, 09/09/2002).

QUESTÃO 01 - “A vida linguística do futuro está por um fio?” A respeito deste questionamento, o texto afirma que:
A ( ) Está, e é por exclusiva culpa do pragmatismo de todos os usuários da internet, por abreviarem palavras ao limite do irreconhecível.
B ( ) Para David Crystal, respeitado lingüista, a invenção do telefone provocou a mesma desconfiança, no sentido de seus usuários perderem a capacidade de expressão oral e escrita.
C ( ) Os psiquiatras suspeitam de uma onda de “dislexia discursiva” que acometeu os adolescentes, os quais perderam não só a capacidade de julgar, mas também de conviver fora da rede.
D ( ) Os pais imaginam que o filho esteja mentalmente perturbado ou tomando drogas, porque a internet considera os adolescentes suas vítimas preferenciais.
E ( ) Pode estimular outras formas de literatura e desenvolvimento do autoconhecimento do jovem que faz uso de chats e blogs.

QUESTÃO 02 - Pais de adolescentes com distúrbios de linguagem estão levando seus filhos ao consultório”.
O fragmento acima é ambíguo, por apresentar duplo sentido. Tal ambigüidade decorre do fato de que:
A ( ) O sujeito é simples, apresentando dois adjuntos adnominais introduzidos por preposições diferentes, porém de mesmo valor semântico.
B ( ) Há dois adjuntos adnominais, um dos quais pode estar se referindo tanto ao outro adjunto adnominal quanto ao restante do segmento destacado.
C ( ) O sujeito é simples e plural, acarretando, por ter dois adjuntos adnominais também no plural, dupla possibilidade de entendimento.
D ( ) As preposições que introduzem os adjuntos adnominais são diferentes e introduzem noções diferentes, ainda que o sujeito seja composto.
E ( ) Um adjunto adnominal refere-se a “distúrbios” e o outro, à “linguagem”.

QUESTÃO 03 - “Na ânsia de se comunicarem num curto espaço de tempo, eles abreviam palavras ao limite do irreconhecível.” O termo destacado acima, por referir-se a outro mencionado anteriormente
(“usuários da internet”) tem função anafórica. Assinale a opção na qual ocorre um termo com função textual diferente:

A ( ) ”O jovem, que até então não apresentava nenhum problema na escola...”
B ( ) “Perde a capacidade de entender o que lê fora do ambiente da rede.”
C ( ) “Os adolescentes sabem que ela deve ficar restrita ao ambiente da rede...”
D ( ) “Há quem suspeite que sim e culpe o pragmatismo dos usuários da internet por sua agonia”.
E ( ) “... produzindo outros gêneros e abrindo uma dimensão diversa para a escrita”.

QUESTÃO 04 - Assinale a opção em que o termo destacado exerce função sintática diferente dos demais:
A ( ) “... chama esses defensores da sintaxe de alarmistas...”
B ( ) “Lembra que a invenção do telefone provocou...”
C ( ) “... a mesma desconfiança dos estudiosos...”
D ( ) “Essa simplificação da linguagem pelos adolescentes não pode ser entendida...”
E ( ) “... um empobrecimento nos textos dos alunos por conta da adoção do código da internet.”

QUESTÃO 05 - Assinale a opção em que a afirmação feita a respeito da sentença e/ou de seus termos é verdadeira:
A ( ) “suspeita-se de uma onda de ‘dislexia discursiva’.” (o sujeito desta oração é indeterminado).
B ( ) “O outro lado da história é contado por psiquiatras.” (a oração está na voz ativa).
C ( ) “Adolescentes viraram suas vítimas preferenciais.” ( o segmento “suas vítimas preferenciais” exerce a função de objeto direto).
D ( ) “Ninguém escreve um tratado de física com carinhas...” (o sujeito da oração é indeterminado).
E ( ) “... eles corriam o risco de perder a capacidade de expressão e a sociabilidade.” (a oração destacada exerce a função de objeto indireto).

QUESTÃO 06 - Assinale a opção em que está corretamente caracterizada a ideia ou circunstância expressa entre parênteses:
A ( ) "Ninguém escreve um tratado de física com carinhas... " (modo)
B ( ) "Sinceramente, acho até que a literatura possa ficar mais rica ao incorporar expressos de blogueiros do meio rural... " (tempo)
C ( ) “... a curta existência da internet não justifica previsões tão pessimistas.” (exclusividade)
D ( ) “Ao contrário da fala, a comunicação escrita exige aprendizado...” (oposição)
E ( ) “As abreviações, os signos visuais e a ausência de acentuação representam apenas um jeito de se adaptar ao teclado”. (intensidade)

QUESTÃO 07 - Assinale a opção na qual se fez o correto comentário a respeito do verbo/locução verbal destacado(a) nas orações seguintes:
A ( ) “Adolescentes viraram suas vítimas preferenciais.” (o verbo exprime ação).
B ( ) “O jovem, que até então não apresentava nenhum problema na escola, começa a ter uma avaliação catastrófica dos professores”. (a locução verbal exprime mudança de estado).
C ( ) “... e sem posição crítica fica incapacitado de reflexões profundas sobre a realidade que o cerca.” (o verbo exprime localização).
D ( ) “... para comunicar aos interlocutores que estão tristes, alegres, entediados, eufóricos ou simplesmente indiferentes.” (o verbo exprime estado permanente).
E ( ) “... o jargão dos chats (salas de bate-papo) e dos blogs (diários que se tornam públicos)...” (o verbo indica início de ação).

QUESTÃO 08 - “Costumamos ver com desconfiança aquilo que foge ao nosso controle, mas não acho que a rede empobrece a língua”. “Os adolescentes sabem que ela deve ficar restrita ao ambiente da rede e não tenho notado um empobrecimento nos textos dos alunos por conta da adoção do código da internet.”
Acerca das palavras destacadas nos fragmentos acima, assinale a alternativa correta:
A ( ) Ambas as palavras são derivadas por prefixação.
B ( ) Ambas as palavras são derivadas por sufixação.
C ( ) Ambas as palavras são formadas por derivação prefixal-sufixal.
D ( ) Ambas as palavras são derivadas de um mesmo verbo.
E ( ) Ambas as palavras são formadas por derivação parassintética.

2ª PARTE: PRODUÇÃO TEXTUAL

Proposta de Redação

“O jovem, que até então não apresentava nenhum problema na escola, começa a ter uma avaliação catastrófica dos professores. Perde a capacidade de entender o que lê fora do ambiente da rede. Sem entender, não tem condições de julgar, e sem posição crítica fica incapacitado de reflexões profundas sobre a realidade que o cerca. Os pais imaginam que o filho está mentalmente perturbado ou tomando drogas, mas ele apenas renunciou a seu potencial expressivo para adotar a linguagem estereotipada da internet.” (Revista Época)

“Os jovens estão escrevendo de forma totalmente diferente nos e-mails e nas mensagens rápidas. Está surgindo um novo idioma, completamente diferente. Um canal de tevê a cabo tem legendas nesse idioma e é difícil prestar atenção, seguir aquele negócio do jeito que o pessoal fala. O que potencialmente seria uma revitalização da palavra escrita virou um negócio muito precário. Não é bom.” (Revista ISTOÉ)

“Linguista respeitado, o inglês David Crystal, autor do livro A Linguagem e a Internet, chama esses defensores da sintaxe de alarmistas e não prevê um futuro desastroso para a gramática por causa da rede.” (Revista Época)

Acima estão os fragmentos dos textos que compõem esta prova. Eles servem de base para a argumentação que deve ser feita a respeito do seguinte tema:
A linguagem da internet pode ser uma ameaça para o desenvolvimento linguístico dos seus usuários?
Responda à questão proposta pelo tema acima, por meio de texto dissertativo de 20 (vinte) linhas. Na sua redação, não devem ocorrer partes nem dos fragmentos oferecidos nem dos textos de onde foram retirados.

Observações:
- Escreva o texto em 3ª pessoa do singular.
- Não intitule seu texto.
- A fuga ao tema e o desrespeito à solicitação do gênero solicitado invalidam sua redação.

GABARITO

01 E
02 B
03 E
04 C
05 A
06 D
07 B
08 E

http://www.cmb.ensino.eb.br/index.php?option=com_docman&task=cat_view&gid=101&Itemid=61